Siga-nos:  iconFaacebook  iconTwitter   iconInstagram  iconYoutube   iconPinterest  iconFlikr   iconGplus

A Oitava Praga do Egito: Gafanhotos

Crente não gosta de aprender. Tem crente que não sabe nem quantas pragas foram lançadas sobre Faraó, o porquê das pragas, e por que 10? Tem crente que não conhece os 10 mandamentos. Somos analfabetos na Palavra. Erramos por não conhecer as Escrituras. É importante conhecer a Torá (instruções), que é de Gênesis a Deuteronômio. É ali que está a Lei, que nos ensina. O crente em Jesus não precisa cumprir a Lei para ter a vida eterna. Quem dá vida eterna não é a Lei, é Jesus. Então por que é interessante aprender a Lei? Porque a Lei nos dá qualidade de vida. A Lei nos ensina o que é bom e ruim, a nos relacionar com as pessoas e a fazer o bem. Há muitos crentes que falam línguas e estão no mover, mas fazem uma porção de coisas pecaminosas. Hoje os crentes chamam pecado de “coisa errada”. Coisa errada é pecado. Quem faz coisas erradas está em pecado porque transgride uma lei. É a Torá quem nos ensina isso, são as instruções. Tem crente dando dinheiro, propina, para guardas e outras coisas. O dinheiro das ofertas às vezes é perdido sendo entregues para acobertar os pecados.

O culto de ensinamento é para acertar a nossa vida e tem crente que não gosta de ser ensinado porque não quer ser confrontado. Quando o texto diz que Deus endureceu o coração de Faraó, quer dizer sobre a revolta que há no coração da pessoa que endurece o seu coração. É uma pessoa revoltada, pois está sendo confrontada. Quando alguém é confrontado, não é para o mal e sim para o bem. Muitos não entendem o momento de confronto. É difícil de entender o confronto. Precisamos sentir gozo e alegria quando somos confrontados para que a obra se complete em nossa vida e nos tornemos maduros. É difícil de entender o momento que o Eterno nos confronta.

Toda vez que Moisés ia diante de Faraó ele confrontava o poder de Satanás, e a cada praga Faraó se enfraquecia, na medida em que as divindades se enfraqueciam. A autoridade máxima era Faraó, e em volta dele havia as divindades. As pragas enfraqueceram o cerco dos demônios ao redor de Faraó, para que na décima praga o próprio Faraó fosse atingido.

Precisamos aprender a fazer guerra espiritual, enfraquecendo o inferno e demônios donos de um território. Quando abrimos uma célula, tomamos posse de um território. Moisés levou quase um ano para ele conseguir tirar o povo do Egito.

O Egito representa o mundo, Faraó o anticristo, o que é contrário à obra de Deus na Terra.
Se o Egito representava o mundo, e o povo de Deus passou um tempo lá, o Egito tornou-se agradável para o povo de Deus. O povo de Deus vivia feliz no Egito, até chegar um novo Rei que não havia conhecido José. Foi necessário que o período de paz terminasse para que o povo saísse do Egito para as promessas de Abraão se cumprir sobre Israel. Isto é profético. Haverá um falso período de paz, que fará com que as pessoas se acomodem e recebam o falso rei. Não sabemos lidar com as coisas boas. Eles se esqueceram das promessas de Deus para eles feitas a Abraão por causa da vida boa que tinham no Egito.

Na Europa os judeus tinham tudo e Deus permitiu que viesse o holocausto. Depois do holocausto nasce a Nação de Israel. Houve a necessidade de morrerem 6 milhões de judeus para que os judeus saíssem de seu lugar e voltassem à terra da promessa.

Moisés aponta para Jesus que veio libertar o povo da escravidão. E Deus usou as pragas como juízo sobre a Terra do Egito. E no Apocalipse Deus usará as pragas para trazer o juízo sobre toda a Terra.

Apocalipse 9.13-21 – Todas essas pragas são semelhantes às pragas do Egito. O sexto anjo traz morte à terça parte da Terra.

Apocalipse 9.1-3 – O quinto anjo não libera morte. O escorpião não mata; geralmente traz muita dor e tormento; é difícil morrer por picada de escorpião.

Embora a Terra seja redonda, ela tem quatro cantos. A Bíblia sempre relata sobre os quatro cantos da Terra. Neste episódio, os quatro anjos dos quatro cantos são soltos que na verdade são demônios. Os gafanhotos eram semelhantes aos escorpiões, e seriam atingidos por eles os que não tinham o selo de Deus.

No Êxodo existe uma analogia do que virá no futuro. O Êxodo se restringe ao Egito; o Apocalipse atinge toda a Terra. O texto bíblico de Apocalipse fala de duzentos milhões de soldados. O único país hoje que tem 200 milhões de soldados é a China que pretende construir uma estrada que cruza a China para o Oriente, onde hoje estão os rios Tigres e Eufrates, para seguir em direção ao Ocidente. Será o final!

Havia duas divindades no Egito. Uma era a dos insetos chamada Sabé, outra era Xu. O vento do oriente trouxe os gafanhotos. Só existe um que manda no vento, o Eterno. Foi Ele quem trouxe os gafanhotos. E na hora dos gafanhotos irem embora veio o vento do Ocidente que levou os gafanhotos para o mar. Este foi o mesmo vento que abriu o mar vermelho.

Enfraquecendo mais estes dois demônios, vem a nona praga que é a das Trevas. Foi tanta escuridão que mesmo com as tochas acesas nada se podia ver.

Nm 13.33 – Esses são os espias que estavam com Moisés no deserto. Eles trouxeram uma palavra de derrota. Enxergaram os homens como gigantes e ao se olharem se viram como gafanhotos. Admitiram a derrota.
Por isso Deus manda uma praga de gafanhoto, um animal pequeno que destrói todo o Egito. É com coisas pequenas que Deus destrói coisas grandes.

Quando você se coloca como derrotado, você é derrotado. Quando você se coloca como Filho de Deus, não importa o tamanho do problema ou do gigante, você é vencedor. E foi exatamente isto que aconteceu. Filho de Deus não é gafanhoto, não importa o gigante. Lembra-se de Davi contra Golias? Não interessa o tamanho do gigante. Enquanto houver medo, enquanto não nos levantarmos, o gigante crescerá e cada dia ficará maior e cada vez mais você parecerá como gafanhoto.

Deus escolhe as coisas pequenas para confundir as grandes. Não interessa o seu tamanho diante do tamanho do seu problema. O importante não é como o meu inimigo me vê, mas é como eu vejo o meu inimigo. O meu inimigo é o diabo. Não estamos olhando para a força do adversário. Precisamos entender que o diabo já é caído e debaixo de nossos pés. Não importa quem ele seja a nossa posição em Cristo nos coloca acima do diabo. Não somos gafanhotos. Não damos força ao inimigo. Precisamos nos ver como gigantes, pois será assim que venceremos.

Pára de se ver como gafanhoto, derrotado e fracassado. O Eterno enviou as pragas só para mostrar o Faraó que ele não era nada. É assim que temos de tratar os demônios. Se estivermos passando por provas e luta vamos dar Glórias a Deus, pois o milagre é certo para nós. Diante das lutas a única possibilidade é um milagre. Quanto mais pioro mais perto do milagre eu fico. O milagre não acontece na vida de quem está vivendo com tudo certo. O milagre é para quem está em aperto. Quanto mais aperto mais perto o milagre. O milagre está chegando e vai acontecer na sua vida. Eu abençôo você com essa Palavra, e libero o milagre sobre a sua vida. Você está propenso a receber o milagre de Deus sobre você. Não tem como o milagre não chegar. Olhe pra você. O milagre não tem mais como não acontecer. O que prometeu é fiel! Ele pode não acontecer na vida dos outros, mas na sua vida acontecerá. Ele já está na rota. Já foi liberado. Está na sua direção. Não saia da sua posição. Continue firme. A promessa se cumprirá. Mesmo que Faraó diga Não o Senhor já liberou. Você é a pessoa certa para o milagre acontecer.

Êxodo 10.1-20 
Amém!

Porque Somos Tabernáculo

Tabernáculo significa tenda ou templo portátil. Foi construído por Moisés sob a orientação de Deus quando ele esteve no Monte Sinai – Ex 24.15-18. O Tabernáculo era um local consagrado para o culto a Yahweh, um local móvel que era montado e desmontado no deserto de acordo com a movimentação do povo de Deus. Continue lendo...

Contato

Galeria de Fotos